Área Pastoral de Santa Fé tem capela dedicada à Irmã Dulce

Neste domingo, dia 13 de outubro, o Papa Francisco presidiu cerimônia solene que inscreveu Irmã Dulce (2014-1992) no catálogo dos santos, para que seja devotamente honrada nos altares. O “Anjo bom da Bahia”, como ficou conhecida por seu trabalho junto aos pobres, já pode ser aclamada como a primeira santa brasileira. Na Diocese de Crato, uma capela foi construída em homenagem a ela, na Área Pastoral Imaculada Conceição, em Santa Fé, distrito de Crato.

O terreno para construção do pequeno templo, localizado no Sítio Engenho da Serra, foi doado por um casal para construção de um espaço destinado às reuniões da Pastoral da Criança. Como na época, o administrador da Área Pastoral, Padre José Ricardo Barros, incentivava as comunidades que não tinham capela a construírem uma, as famílias decidiram dividir o salão. Mas aí veio a dúvida: para qual santo – ou santa – a capela seria dedicada?

O padre, então, comprometeu-se em levar a imagem de uma beata, que estava em processo de canonização e, em breve, seria reconhecida como santa. A imagem era de Irmã Dulce. Embora sem conhecê-la, a comunidade aceitou a sugestão.

Era 13 de maio de 2013 quando Padre José Ricardo apareceu com a pequena imagem. E da casa da coordenadora da Pastoral da Criança saiu em procissão até a futura capela, acompanhado dos moradores da comunidade e das comunidades circunvizinhas.

No local, foi rezada a primeira Missa e o padre pode apresentar a imagem de Irmã Dulce. A história da freira baiana e seus gestos heroicos para com os pobres caíram no gosto do povo. Em 2 de novembro de 2014 foi marcado a alicerce da capela. Em 2017, a construção chegou a bom termo.

Atualmente assistida pelo Padre José Eliomar, a comunidade celebra, jubilosa, a canonização de sua padroeira, Santa Dulce dos Pobres.

Fonte: Diocese de Crato

Faixa atual

Título

Artista

Background